Varejo: o poder do mobile nas compras e sua influência no comércio varejista

WhatsApp Image 2017-11-06 at 10.09.35 AM

Amigo leitor do Blog Na Palma da Mão,

Desde o nosso primeiro post para esse blog, temos mencionado sobre o crescimento da cultura mobile, como as empresas, independente do ramo de atuação, têm que levar em consideração está ótica para o seu negócio e também o fato de que aquelas que ignorarem essa tendência estão fadadas a perder visibilidade e oportunidade de negócios.

Como já citado no post sobre Mercado Mobile, estudos indicam que, em 2018, o tráfego de internet via dispositivos móveis irá aumentar em 45% no Brasil. Quando falamos sobre comércio em Varejo é necessário estar atento a essa tendência, pois o cliente se digitalizou e com isso está mudando seus hábitos, ampliando o seu poder de decisão e quando vai até a loja física já está totalmente informado sobre o que deseja adquirir.

Esse consumidor digital, conectado ao seu dispositivo mobile, quer encontrar tudo no menor espaço de tempo, podendo realizar suas compras não apenas no horário comercial ou quando está em frente um desktop, mas a qualquer hora e em qualquer lugar, com muita facilidade, alguns cliques e bem na palma de sua mão. Por isso, oferecer alternativas para o público que realiza compras via smartphones e/ou tablets é de extrema importância para o mercado varejista.

O mais importante quando estamos falando de mobile, independente de sites responsivos ou aplicativos, é estar atento a interface, que precisa ser simples e interativa, pois é a geração mais nova de consumidores que abraçam por completo as compras online. Quando a simplicidade e usabilidade desses canais não são utilizadas corretamente, a taxa de conversão se torna muito baixa e frustrante para quem fez o investimento. É preciso realizar estudos e testes para entender como deve ser a experiência do usuário, de modo que não cause estresse, indecisão e maximize as chances de conversão.

Um grande sacada do varejista para alcançar resultados positivos nas vendas por mobile é a realização do Teste A/B, onde é possível colocar duas versões online de um item específico e coletar dados estatísticos sobre qual a opção de página/layout possui a melhor aceitação do cliente e a melhor taxa de conversão em vendas.

Como no Brasil, hoje, existe uma economia muito conectada ao mobile, os varejistas estão dedicando cada vez mais sua atenção para os canais móveis. Em setembro de 2015, o grupo de consumidores que já havia encomendado produtos físicos através de seus smartphones, seja por aplicativos ou sites, representava 41% dos brasileiros. Em março de 2016, esse número subiu para 62%, um aumento de 21 % em apenas seis meses.

Estamos vivendo um momento de grandes esforços por parte dos varejistas para se adaptarem e alavancarem suas vendas mobile. A Netshoes reformulou sua estratégia de vendas para estimular os seus consumidores. A Magazine Luiza redesenhou o seu app e criou ofertas especiais para incentivar o uso, oferecendo frete grátis para qualquer compra acima de R$ 99,00. A Pernambucanas acabou de anunciar o lançamento de seu aplicativo de venda online, procurando estar mais próxima do cliente e mostrando-se mais digital e conectada.

Lendo até este ponto você pode me perguntar: mas só os grandes estão buscando estar à frente nessa tendência pela busca da mobilidade? Isso ocorre devido a essa tecnologia necessitar de altos investimentos? E as pequenas e médias empresas, como ficam?

Realmente, muitos ainda acham que investir em aplicativos ou mesmo sites responsivos requer altos investimentos, mas isto não é totalmente verdade. Hoje, já é possível ter um aplicativo personalizado com baixo investimento e com grandes benefícios na relação entre o cliente e a loja, como é o caso da Ellite Calçados*, em Alfenas/MG. Para Valéria Telles Engel Vieira, proprietária da loja, o app proporciona uma forma fácil de apresentar produtos, lançar promoções e ter um canal de comunicação direto com o cliente, o que torna mais eficaz o atendimento. “O nosso aplicativo proporciona uma experiência de compra mais completa em nossa loja física”, disse a empresária.

O mobile está constantemente mudando a forma como as pessoas pesquisam e compram e alterando o comportamento das mesmas em datas comemorativas, como Natal, Black Friday e outros. Tudo indica que o mobile terá um grande destaque nas datas de varejo, mas esse assunto vamos discutir em postagens futuras.

O importante é deixar claro que a mobilidade está influenciando diretamente a gestão do negócio, e as empresas de varejo não podem desprezar essa tendência, pois ignorar o mobile significa perder competitividade. O empresário precisa enxergar a mobilidade como um dos pilares que sustentam o seu negócio e entender que é obrigatório estar Na Palma da Mão de seus clientes ou então estará fora das opções de compra de seus consumidores.

Se você curtiu esse post, deixe seu comentário, ele é muito importante para mim.

*app da Ellite Calçados foi customizado pela eWorld Tecnologia, que desenvolveu um modelo com foco nas pequenas e médias empresas. Todo o conteúdo é gerenciado por uma plataforma muito fácil e interativa, onde o empresário pode fazer toda a gestão e controle sem a necessidade de programador ou de conhecimentos avançados de programação. Para conhecer mais sobre a eWorld, acesse o site < www.eworld.com.br>

Te convido também a seguir o Blog Na Palma da Mão nas mídias sociais, onde compartilho ideias sobre tecnologia mobile, aplicativos, marketing digital e empreendedorismo.

Clique aqui para acessar nosso Facebook

E aqui para nos acompanhar no Instagram

Forte Abraço!

 

Article by Andrei Faria

Andrei Faria, idealizador e CEO do Grupo eWorld, formado em Propaganda e Marketing quis provar que a tecnologia não é algo somente de diversão, e muito menos um mal a ser evitado, por isso desenvolveu plataformas facilitadoras e aplicativos para smartphones de cunho educacional, comercial, agronegócio, saúde, religioso e palestras para aproximar e estreitar laços dos usuários com toda a família.

Comments: 1 reply added

  1. Luis Adriano Batista 6 Novembro, 2017 Responder

    Andrei, este artigo prova que o empresario/empreendedor que não estiver conectado com as mudanças rápidas e exigências de uma nova geração de consumidores tende a perder uma importante fatia de mercado e dificilmente irá se recuperar depois. Parabéns pelo artigo!

Join in: leave your comment